sábado, 25 de junho de 2011

Você sabe exatamente o que me dizer para eu quebrar as minhas próprias armaduras


Então você vem com aquele papo. Comentando alguma coisa que eu fiz como se você estivesse vigiando cada passo que eu dou. Você faz isso porque sabe que eu vou pensar que você está fissurado em mim. E sabe que se eu pensar que você está fissurado em mim, eu vou me interessar em te encontrar novamente. Porque o que mais pega em mim, é o meu ego. E nada melhor para você me conseguir que me fazer pensar que você vai alimentar o meu ego, como o homem fissurado em mim que você me fez crer que era.
Você sabe exatamente o que me dizer para eu quebrar as minhas próprias armaduras e eu sei exatamente o que eu deveria fazer para que elas permanecessem intactas. Infelizmente, eu também tenho uma certeza muito grande de que não posso lutar contra esse sistema, de que é completamente inútil saber o que fazer se eu não consigo colocar em prática. E já me convenci disso. De que não consigo colocar em prática aquilo que é necessário fazer.
Já me convenci de que essa é uma guerra perdida, de que eu não consigo permanecer em pé enquanto existirem soldadinhos dispostos a brincar. Ou brigar.
O grande problema disso tudo é que eu não consigo imaginar um fim para isso. Imagino nosso círculo vicioso perdurando até a eternidade. Poderei um dia me casar com alguém que obviamente não será você, ter filhos que obviamente não serão seus, mas continuar mantendo essa coisa estranha que eu só tive com essa pessoa que obviamente é você.
Sabe por quê? Porque você foi o primeiro para o qual eu perdi. E o que é um relacionamento se não uma guerra de egos? Um alimentando o outro e é isso mesmo. Infelizmente, para você eu perdi. Perdi e perdi feio. E por ter perdido de você, você ficou aí, nunca tendo me perdido. Você ganha de mim e nunca me perde. É assim que funciona, não é?
E você gosta. Você é feliz assim. Você gosta de perceber quando o desespero começa a brotar no meu olhar e é aí que você aproveita para tornar esse desespero real. Você dá um jeito de foder com toda a minha estupidez e ampliá-la ao extremo.
A verdade é que você não está nem aí e eu fico aqui, desabafando em uma página fria para conter o impulso e o desejo de simplesmente sair perguntando para você coisas que eu nem tenho o direito de perguntar.
E no final, acho que eu só começo tudo de novo com você com o simples desejo de terminar. Terminar de uma vez, terminar para sempre. Como se eu sempre estivesse pedindo uma revanche, e alimentasse a esperança de começar algo simplesmente para sair. Sair ganhando. Eu não quero sua boca, não quero seu corpo, nem quero o seu poder magnífico de me fazer pensar que você é incrível. Tudo que eu quero é uma revanche. Sempre foi isso que eu quis desde que perdi para você pela primeira vez. E desde então, isso é tudo que eu quero. Mais uma chance para ganhar de você, mesmo sabendo que as probabilidades estão indiscutivelmente do seu lado e eu não tenho chance alguma. Mas eu quero minha revanche. E vou eternamente querer, enquanto eu continuar perdendo.
E eu até gosto disso. Gosto de ter “unfinished business”. Gosto de alimentar meus assuntos pendentes, como se inconscientemente eu soubesse que nunca poderei morrer enquanto tiver esses tais assuntos pendentes. Como no Gasparzinho, sabe? E esses assuntos pendentes me mantêm viva, acesa, concreta, real e atual. Você é um “unfinished business” muito delicinha. E quero muito te manter. É claro, enquanto eu ainda achar que posso ganhar de você...


E agora que eu li de novo isso, ficou realmente parecendo que é para você, mas acredite, não é.
Mas se você quiser, pode ficar pensando que é. Não faz mal.

3 comentários:

Letícia Brito disse...

exatamente o que eu sinto e penso...
é incrível o modo como se expressou.
Texto incrível.

Larissa Gomes disse...

Olá, Invrível
Que lindo seu blog, estou seguindo vc. Depois entra no meu blog. E se gostar, quem sabe, segue.
Beijos

want-to-go-to-there.blogspot.com

Aline Guisan disse...

Poxa acho que uma guria te plagiou na cara dura, achei seu texto e com data posterior a sua... E ela disse ser dela na publicação, mas sua publicação é antes da dela.... se quiser entre em contato comigo. alinenilags@gmail.com