segunda-feira, 29 de março de 2010

o amor que eu quero


eu procuro um amor
que eu ainda não encontrei
diferente de todos que eu amei

mas não quero descobrir razão para viver nos olhos de ninguém.
razão para viver eu encontro em mim mesma, obrigada.

quero um amor que me faça sofrer um pouquinho

tem um pernilongo me irritando agora, mas tô com preguiça de brincar de caçada as três da manhã.
e é verdade que estou assim sensível porque assisti um dos únicos filmes que me fazem querer realmente um amor.

quero um amor que perceba que me ame bem depois
e que a gente se desencontre muitas vezes e que eu fique puta com ele.
quero também nunca saber se o celular estava desligado ou se a bateria tinha acabado.

nesse exato momento, li as últimas frases e prometi a mim mesma que não irei postar isso no meu blog.
pelo menos o pernilongo sumiu, por enquanto...

quero que o acaso do destino me deixe perplexa por tanta coincidência.
e quero que nada seja planejado, nada.
e que nem tempo nem lugar nos guie, apenas a vontade.

quero um amor rapidinho também, nada de demorar na minha vida.

quero um amor.
mas não agora.
mais tarde, apenas.
mas não agora.
daqui um ano, ou trinta e cinco.
mas não agora.

Um comentário:

Esperanto Vestoj disse...

Ta tendo epidemia de dengue viu, cuidado que este trem aí eva pra cama rapidim rapidim.