sábado, 28 de novembro de 2009

o avesso do avesso do avesso

por tão pouco não me permiti chorar tudo aquilo que tá engasgado.
em parte, por ter o alívio de sentir a presença de pessoas tão importantes perto de mim novamente.
mas demorou um cado até certo assunto ser trago à tona.
quando veio, veio avassalador. novamente ouvi os conselhos que, ao invés de me rumar para um caminho diferente, apenas me travam no meio da estrada.
não tenho escolha.
é difícil? é.
mas o que mais me resta?
não me resta.
e isso me desespera. se não for isso, não pode ser mais nada.
não precisa ficar falando, falando. o tempo todo, todos os dias.
não dá pra perceber que a tortura que eu mesma me proporciono já não é bastante forte?
pronto. ta aí.
deveria ter dito isso enquanto estava na companhia delas. agora estou aqui desabafando para um leitor completamente alheio. que não pode me abraçar e secar o meu rosto.
não tentem me impedir de trilhar o último caminho que me resta.
não tenho a intenção de parar de andar.