quinta-feira, 13 de agosto de 2009

de perto fomos quase nada.

sim, Vienna espera por mim.
e esperar algo de quem não espera o mesmo não vale a unha encravada.
mas por incrível que pareça, já estou mais tranquila. muito mais.
foi legal. e talvez tenha sido exatamente como deveria ter sido.
peguei por exemplo uma pessoa aí que conheço, conheço pouco, quase nada, e eu vi que a maneira como ela encara os relacionamentos não é exatamente o que eu queria que acontecesse.
estou aqui a pensar com meus ticos e tecos... realmente. eu só consigo imaginar alguma coisa acontecendo exatamente da forma como aconteceu. tudo. os gestos, as palavras, o tempo, o espaço, tudo. era isso mesmo que era para ser. e eu me sinto tão bem agora que compreendi isso.
sinto a leveza e ao mesmo tempo o desespero de não ter algo ao qual me render.

"porque eu não tô com saco pra aguentar todo esse tempo, eu tenho muito mais o que fazer.
umas pessoas pra falar, eu quero mesmo é me apaixonar por mim mesmo ou quem quer que seja"

você me cativou, ragazzo.
mas é isso aí mesmo... fui eu quem exagerou na compreensão dos próprios sentimentos.
não era isso tudo e para que tanto drama, fuckingod?

:)

god is a dj, life is a dancefloor.

talvez tenha sido o meu desespero infundado que tenha ocasionado o motivo desse desespero que depois, fundado. mas completamente equivocado, com certeza.
as coisas estão aí, o mundo ainda existe, Barcelona ainda está lá, quietinha, movimentada, linda, feiosa, fácil e difícil. e tudo mais aí.

bon voyage.

Nenhum comentário: