segunda-feira, 10 de agosto de 2009

because the world is round, it turns me on

as partículas que se desprendem me geram uma dor insuportável, fato.
esse negócio de dor física é interessante...
acho que já cheguei a comentar isso com algumas pessoas mas eu gosto, em partes.
evito tomar remédios porque isso me dá a sensação de que estou me fortalecendo. não sei, como se eu não necessitasse intervenção alguma. meu próprio organismo, capaz de se curar. algo do tipo. paranóia.

-------

_ você canta?
_ err... não.
_ não?
_ ah... assim... tipo...
_ ?
_ não. não canto.

foi rápido. e eu tenho certeza que se eu ficar fazendo esse exercício a semana toda vou ficar mais louca que david helfgott. antes eu tocasse como!


de qualquer forma, é sempre bom saber que você está tomando um rumo específico em seus desejos artísticos mal elaborados. e retornar ao que, além de mais antigo, me retoma conceitos pueris é bastante gostoso...
me lembro de pessoas que antes não permutavam entre o conceito de família e não-família me elogiando e me incentivando quanto a algo que inicialmente não era de minha preferência.

é.
o mundo dá voltas mas no fim das coisas,
tudo se resume em um círculo vicioso que não nos permite avançar um passo sem retroceder outro.

e no final das contas, a gente sempre volta ao lugar onde pertence.






Nenhum comentário: