sábado, 13 de junho de 2009

quero, quero

estou oca.
não há nenhum sentimento avassalador que necessite ser expelido com força e jogado num texto qualquer.
quero a explosão. quero a implosão.
quero um desarranjo de qualquer espécie e qualquer origem.
a calmaria me perturba e muito mais me perturba a ausência.
a ausência do it, sabe?
necessito mais que um dente sem cárie, quero o humor difícil e pungente dos bêbados.
mas não ele. pois ele é meu oceano, o meu oceano para chamar de pacífico.
quero navegar em águas profundas, águas de talassociclo. águas de monstros que querem me devorar com seus dentes arreganhados e suas luzinhas intermitentes.
quero a podridão da gente impulsiva.
quero a podridão da gente inquieta, repulsiva.
quero a podridão minha, tão minha que nem a mim mesma me permito.

queria eu muito mas no fundo eu não queria nada
nada a mais que o nada e tudo além do tudo
se o tudo não me valesse nada


2 comentários:

disse...

talassociclo =)

Janaína Borges Andrade disse...

'oceano nada pacifico'haha.li tds os textos da pagina.amei!E apesar da sua prolixidade me incomodar, eu amo sua forma clariceana de demonstrar sentimentos.tb amo, mas amo mais, voce!=]