quarta-feira, 10 de junho de 2009

caballero de fina estampa

A vida às vezes gosta de nos compensar. Compensar, recompensar, compensar e recompensar. Tudo depende, na verdade.


"não me queixo. eu não soube te amar. mas não deixo de querer conquistar. uma coisa qualquer em você."

sabe quando dói mais em pensamento que em ação?
doeu menos do que eu previ que doeria. isso foi bom.
não derramei lágrimas, não alimentei nenhum sentimento negativo, não senti sequer uma tristeza efêmera.

e o que não senti, principalmente: arrependimento.

talvez eu ainda sinta. eu sou realmente um pouco lerda para essas coisas.
tenho o costume de sofrer fora de hora e isso é hora bom, hora ruim.

"You don't know me
Bet you'll never get to know me
You don't know me at all
Feel so lonely
The world is spinning round slowly
There's nothing you can show me
From behind the wall
Show me from behind the wall
Show me from behind the wall
Show me from behind the wall"


Ele sempre soube pouco de mim. Isso não nos favoreceu, de fato.
É um homem admirável e desprezível ao mesmo tempo. Encantador, exatamente pelo paradoxo.

talvez seja complexo demais para mim, que sempre apreciei a coisa mais simples.




Um comentário:

disse...

"talvez seja complexo demais para mim, que sempre apreciei a coisa mais simples."

cada dia melhor, minha poetisa! te amo...